O Ensemble MPMP é um grupo de instrumentação flexível que tem desenvolvido, desde 2012, um trabalho de proximidade com musicólogos e compositores com vista à redescoberta de património passado e à valorização de repertórios contemporâneos. Tem-se apresentado no Festival Prémio Jovens Músicos (Centro Cultural de Belém, em 2013, e Grande Auditório da Fundação Calouste Gulbenkian, em 2015) e no Festival de São Roque (2013, 2014 e 2015), tendo estreado modernamente obras de Marcos Portugal (1762-1830), D. Pedro IV (1798-1834), Joaquim Casimiro Júnior (1808-1862), Francisco Norberto dos Santos Pinto (1815-1860), Francisco de Freitas Gazul (1842-1925) e Augusto Machado (1845-1924). Em Março de 2014 o duo de piano a quatro mãos e o quarteto d’arcos do Ensemble MPMP apresentaram-se no Brasil no âmbito da digressão ‘Música portuguesa em viagem’, com apoio do Governo de Portugal / Direcção-Geral das Artes. Em 2015 levou à cena as óperas O cavaleiro das mãos irresistíveis e Cai uma rosa…, respectivamente de Ruy Coelho (1889-1986) e de Daniel Moreira (1983-), nos Teatros Municipais de Almada e do Porto. Colaborou ainda com o Grupo de Música Contemporânea de Lisboa, aquando do lançamento da revista glosas n.º 8,  e concebeu o projecto “Latitudes”, um ciclo que teve como principal objectivo a interpretação de autores portugueses vivos de diversas origens, experiências, locais e escolas. Com a participação especial da pianista Ana Telles, apresentou o concerto de lançamento de um CD integralmente dedicado a obras de João Pedro Oliveira (Mosaic, ed. MPMP).

EQUIPA

direcção musical
Jan Wierzba

instrumentistas

flautas transversais
Tatiana Nunes Rosa, Dina Hernandez

oboés
Bethany Akers Carmo, Lívio Dias

clarinetes
Miguel Costa, Rui França Ferreira

fagotes
Ricardo Santos, Tatiana Martins

trompas
Luís Sousa, Gonçalo Pedrosa

trompete
Óscar Carmo

trombone
Victor Ferreira

pianos
Duarte Pereira Martins, Isa Antunes, Philippe Marques

órgão
José Carlos Araújo

percussões
João Carlos Pacheco, Miguel Filipe, Tomás Moital

violinos
Daniel Bolito, César Nogueira, João Vieira de Andrade,
Cristiana Abreu, Lyza Valdman, Francisco Moser

violetas
Leonor Fleming, Amadeu de Resendes,
Rita Cardona, Diana Luís

violoncelos
Catarina Távora, Catarina Gonçalves,
Nuno M. Cardoso, Teresa Madeira

contrabaixos
Miguel Menezes, Bruna Domingues

electrónica
José Luís Ferreira

musicologia
Edward Luiz Ayres d’Abreu

musicografia
Luís Salgueiro

produção
Duarte Pereira Martins
José Luís Ferreira
João Carlos Pacheco

logotipo
Filipa Rocha / www.behance.net/filipa-rocha

DIRECÇÃO MUSICAL

Jan Wierzba

Natural da Polónia e educado no Porto, Jan Wierzba tem se destacado como um dos mais promissores directores de orquestra da actualidade musical portuguesa, sendo mestrando na Royal Northern College of Music enquanto bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian. Actualmente estuda com Nicolas Pasquet (Direcção de Orquestra) e Markus Frank (Direcção de Ópera) na Franz Liszt Hoschule für Musik, em Weimar, ao abrigo do programa Erasmus.

Recentemente teve oportunidade de trabalhar com a Orquestra Gulbenkian, a Stockport Symphony Orchestra, a North East Wales Sinfonia, a Orquestra Clássica do Sul e o RNCM New Ensemble no emblemático Wigmore Hall em Londres. Foi um dos convidados a prestar provas para a reputada ‘masterclass’ com Bernard Haitink em Abril de 2014.

Foi assistente de Christian Lindberg e Vassily Petrenko (Royal Liverpool Philharmonic Orchestra), Joana Carneiro (Estágio Gulbenkian para Orquestra), Maestro Assistente convidado da Orquestra de Câmara Portuguesa para a temporada de 2012 – 2013, e um dos assistentes de Krystjan Jarvi (Baltic Youth Philharmonic). Foi também maestro assistente de Marc Tardue numa produção da ‘Carmen’ de Bizet.

É um dos fundadores e Director Musical do Ensemble MPMP, agrupamento com o qual tem promovido o património musical português de todas as épocas. Com este grupo fez estreias modernas de obras de Marcos Portugal, D. Pedro IV, Casimiro Júnior e Augusto Machado, para além de um ciclo de concertos dedicados à música contemporânea.

De entre os agrupamentos que teve oportunidade de dirigir em diversos contextos destacam-se a Orquestra Gulbenkian, Orquestra Nacional do Porto, Orquestra Clássica do Sul, Parnu City Orchestra, Orquestra Sinfónica de Jovens da Estónia, Estágio Gulbenkian para Orquestra, Grupo de Música Contemporânea de Lisboa e Orquestra de Câmara Portuguesa, entre outros. Interessado pela criação contemporânea, estreou obras de vários jovens compositores, entre eles Daniel Moreira, Rui Paulo Teixeira, Tiago Derriça, Filipe Lopes, Óscar Rodrigues, Aled Smith e Adam Stafford, para além da ópera ‘ainda não vi-te as mãos’ de Edward Luiz Ayres d’Abreu.

Estuda com Clark Rundell e Mark Heron. Licenciou-se em direcção de orquestra pela Academia Nacional Superior de Orquestra sob a tutoria do Maestro Jean-Marc Burfin, tendo antes iniciado os estudos com Marc Tardue e Jean Sebastien Béreau. Participou em várias ‘masterclasses’ com personalidades de renome, tal como Neeme Jarvi, Leonid Grin, Johannes Schlaefli, Jorma Panula, Juanjo Mena, Nicolas Pasquet, Sir Mark Elder e Paavo Jarvi.

Licenciado em Piano pela Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo em 2009, no Porto, na classe de Constantin Sandu, apresentou-se enquanto solista com orquestra, em recital e música de câmara. Foi vencedor do 1.º Prémio em Música de Câmara do Prémio Jovens Músicos em 2007, é detentor do prémio do Rotary Club da Foz atribuído a três dos melhores licenciados da ESMAE, tendo-lhe sido atribuída a bolsa da Yamaha Music Foundation for Europe após provas públicas em 2005.